quinta-feira, 11 de junho de 2009

OBRAS PRIMAS DO CONTO FANTÁSTICO, vários autores


O título não mente: Obras Primas do Conto Fantástico, da Livraria Martins Editora (1961), realmente entrega aquilo que promete: 25 contos maravilhosos, que transitam entre o terror e o realismo fantástico em suas 376 páginas. O livro foi organizado por Jacob Penteado, que também escreve a introdução.

Nessa obra, atualmente encontrada apenas em sebos (ou, mais facilmente, em sebos e lojas virtuais), encontramos verdadeiras preciosidades da literatura fantástica. Vamos falar de algumas.

O livro abre com Avatar, do magnífico Teófilo Gautier (ou originalmente, Teóphile Gautier), sobre uma estranha doença que acomete o pobre Otávio de Saville; em seguida, já vem outra história tão boa quanto, O Espelho, de Gastão Cruls, onde um marido aconselha a esposa a não comprar um espelho de origem duvidosa, e obviamente, não é atendido; em Um Louco?, do grandioso Guy de Maupassant, vemos a triste história de Jacques Parent, aparentemente torturado por fenômenos sobrenaturais (ou não, vai saber... é uma dúvida comum nas histórias do Maupassant, rs); em Metempsicose, de Walter Poliseno, a velha história da troca de corpos é abordada por um ângulo muito interessante, ambientado durante uma exploração arqueológica numa tumba egípcia. Sim, Teóphile Gautier e Guy de Maupassant no mesmo livro, e falamos apenas dos quatro primeiros contos!


Em seguida, temos a assustadora (mesmo) história Os Ratos do Cemitério, de Henry Kuttner. Se você for claustrofóbico, ou tiver pavor de ratos (ou ambos), esse conto vai te deixar com o coração acelerado. Que diabos, mesmo que você não sinta essas fobias, vai ficar com o coração acelerado!

Não vou comentar todas as histórias seguintes, daria muito trabalho (e acreditem ou não, tenho mais o que fazer), mas vou falar um pouco sobre outras que são ótimas: em Camarote 105, Beliche de Cima, de Marion Crawford, um viajante marítimo desconfia que seu companheiro de cabine talvez não seja exatamente humano. Logo depois desse, vem o conto A Mão do Macaco, de William Wymark Jacobs, simplesmente a melhor história de "horror sutil" de todos os tempos (Você duvida? Então clique neste link e puxe uma versão em e-book, criatura insolente!); por fim, o livro fecha com Bugio Moqueado, de um escritor nacional mais ou menos conhecido, chamado Monteiro Lobato. Quem se apavorou com O Saci (da série Sítio do Pica-Pau Amarelo), durante a infância, sabe do que o homem era capaz.

Comentei alguns dos melhores, mas leia a lista completa de contos e autores abaixo, para ver o time que o cara reuniu para essa obra-prima.

Teófilo Gautier - Avatar.
Gastão Cruls - O espelho.
Guy de Maupassant - Um louco?
Walter Poliseno - Métempsicose.
Henry Kuttner - Os ratos do cemitério.
Afonso Schmidt - Delírio.
Victor Hugo - O diabo maltrapilho.
Conan Doyle - A mão do hindu.
Matteo Bandello - O macaco travesso.
Afonso Arinos - Uma noite sinistra.
Alexandre Pushkin - O recoveiro.
Jorge William Curtis - Os óculos de Titbottom.
Marion Crawford - Camarote 105, beliche de cima.
William Wymark Jacobs - A mão do macaco.
Anatole France - A missa das sombras.
Herbert George Wells (H.G.Wells) - O fantasma inexperiente.
Luigi Pirandello - A senhora Frola e o senhor Ponza.
Villiers de L'Isle Adam - A experiência do doutor Velpeau.
Jack London - O rei dos leprosos.
Jean Lorrain - A máscara vazia.
Somerset Maugham - Encontro em Samarra.
Leónidas Andreyeff - A mentira.
Giovanni Papini - O que o diabo me contou.
Viriato Correa - A ficha n.º 20.003.
Edgar Allan Poe - William Wilson.
Charles Baudelaire - O jogador generoso.
Monteiro Lobato - Bugio Moqueado.

Se você ainda não tem, corra ao sebo procurar (ou então clique nesse link, que vai facilitar sua vida), pois esse livro não pode faltar na biblioteca de um aficcionado por terror e literatura fantástica em geral.

E é isso por hoje, leitores. Abraços, até breve!

6 comentários:

  1. Adorei a indicação Mario. Depois vou espiar esse link que vc. cita. Já linkei vc. amigo. bjs e boa leitura prá todos.

    ResponderExcluir
  2. Adoro esse tipo de conto clássico, do tipo que senhores classudos se reuniam em volta da fogueira para ouvi-los (como você deve ter notado depois daquele que enviei para o concurso!).

    ResponderExcluir
  3. Onde escrevi fogueira, leia-se lareira.

    ResponderExcluir
  4. Estou nesse extao momento esperando o e-mail da estante virtual confirmando a compra do livro. Valeu pelo link =)

    ResponderExcluir
  5. Valeu, pessoal. E que bom que vai comprar o livro, Delirium. Vc vai gostar. Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Mario! Gostei das suas sugestões, e queria convidá-lo a conhecer meu blog, de romances góticos, fantásticos e sobrenaturais. Tem um pouco da cara do seu, rsrs... também adoro esses livros com clima de mistério, terror e sustos...


    Bjos

    ResponderExcluir